Buscar

COBRA TEM VISÃO INFRAVERMELHO, PISCA E ESCUTA? VAMOS APRENDER?

"Uma cobra piscou pra mim". Você já ouviu alguém falando isso? Será verdade que estes incríveis répteis podem fazer isso? Quer descobrir? Vem junto com a gente nesta matéria explicativa elaborada pelo divulgador científico Otávio Vulcão.


Dentre os Répteis Squamata, com certeza as Serpentes destacam-se pelas mudanças sensoriais comparadas as de outros animais: desde uma visão infravermelha ou uma modificação na capacidade auditiva.


VISÃO INFRAVERMELHA DAS SERPENTES

As cobras são incríveis devido as diversas modificações no corpo, fisiológicas e comportamentais. Dentro dos "superpoderes" que desenvolveram, algumas adquiriram algo digno de visão do Superman.


O espectro eletromagnético é uma faixa de ondas de diferentes comprimentos que variam desde algumas que podemos detectar visualmente (a "luz visível") e outras que nós, humanos, não conseguimos. A radiação infravermelha é uma parte dessa grande faixa que não detectamos.

Radiação Infravermelha é emitida por qualquer corpo acima do zero absoluto, diferente da luz visível que para detectamos depende de um emissor externo refletindo em um objeto, absorvido pelos nossos olhos e processado em imagem.

Infravermelho não é o mesmo que calor, contudo essa radiação provoca o aquecimento nos objetos que a absorvem, e é esse equipamento que ativa os termo receptores de algumas serpentes.

Três grupos de serpentes atuais detectam RI através de estruturas específicas:

  1. Família Boidae (p. ex. gênero Corallus)

  2. Família Pythonidae (p. ex. gênero Morelia)

  3. Subfamília Crotalinae (p. ex. todas dos gêneros Bothrops, Crotalus e Lachesis).

Nos boídeos as escamas supra e infralabiais (escamas acima e abaixo da boca) apresentam uma série de terminações nervosas, detectando as emissões de radiação infravermelha.

Pítonideos tem fossetas nessa região e as terminações nervosas estão ao fundo da fosseta.

Já os Crotalíneos tem apenas duas fossetas, uma de cada lado localizadas na escama loreal, sendo chamadas de fossetas loreais.

Ser capaz de detectar essa faixa do espectro é extremamente útil para caçadores noturnos, que estão impossibilitados de ver devido a ausência de luz. Outro ponto importante é que assim eles poderão notar variações no ambiente, detectando facilmente presas.


AS COBRAS SÃO SURDAS?

Encantadores de Serpentes encantam mesmo? Elas podem “ouvir” você se aproximando enquanto caminha em uma trilha florestal? Vamos falar um pouco sobre a audição desses incríveis répteis!


Pra começar: cobras não são surdas. Bom, pelo menos não completamente. A audição é essa forma que temos de perceber o mundo através do recebimento de ondas de som através do ar. O som pode se propagar também nos meios sólido e líquido - como a água.


O ouvido dos tetrápodes (Anfíbios, Répteis, Aves e Mamíferos) pode ser dividido em três partes: Ouvido interno, ouvido médio e ouvido externo. Lembrando sempre que existem várias exceções da forma dessa estrutura, e serpente apresenta uma dessas exceções.


Esse esquema gráfico bem ilustrado é retirado do livro "Herpetology", de 2013. Nele temos o exemplo do ouvido de um lagarto. Como vocês podem notar há várias pequenas estruturas, mas não nos ateremos aos detalhes. Apenas gravem esta imagem!

Podemos pensar que o aparato auditivo é como um transporte de carga: a carga é depositada no porto (ouvido externo) que a transfere para o barco (ouvido médio). O barco irá levá-la até seu destino final que irá processar o material (ouvido interno).


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


O que chamamos de ouvido externo é onde está o tímpano, uma membrana responsável por captar as ondas de som e transmitir aos ossículos – pequenos ossos – do ouvido médio. Pense em como os tambores são usados: batendo em membranas elásticas bem esticadas.


As cobras não tem tímpano! Surpreso? Aposto que não, porque você já deve ter notado bem que as cobras não tem nada no local que, supostamente, deveria ter. Elas também não possuem o ouvido médio desenvolvido. Nesta caminhada, só nos restou o interno.