Buscar
  • Bianca Leroiz

Satélite brasileiro Amazonia-1 é lançado com sucesso e já está em órbita

Sucesso! O primeiro satélite brasileiro foi lançado neste domingo (28) a bordo do foguete PSLV-C51, na Índia, às 01h54h pelo horário de Brasília. O lançamento aconteceu no Centro Espacial Satish Dhawan (SHAR), em Sriharikota, e o satélite tem como objetivo observar e monitorar o desmatamento da região amazônica.


O Amazonia-1 pesa 640 quilos, tem 2,5 metros de altura e operará a 750 km de altitude. Foram 13 anos de desenvolvimento para que chegássemos ao lançamento bem-sucedido e, com isso, o Brasil entra para o grupo de apenas 20 países capazes de desenvolver um satélite próprio dessa maneira. É composto por duas partes principais: A Plataforma Multimissão - PMM e o Módulo de carga útil. A PMM é um módulo de serviço que reúne todos os equipamentos necessários a sobrevivência do satélite, ele fornece energia, propulsão, controle térmico e gerenciamento de dados.


O módulo de carga útil é plataforma principal do Amazonia-1 e abriga câmera imageadora (uma câmera WFI, semelhante as usadas em outras missões como nas dos satélites CBERS-4 E A4) e equipamentos de gravações (DDR - Subsistema Gravador de Dados Digital), processamento (SPE - Unidade de processamento) e transmissão de dados (AWDT - Subsistema de transmissão de dados da câmera).



Este é o primeiro satélite de observação da Terra completamente brasileiro, sendo projetado, desenvolvido, testado e operado pelo Brasil. Apenas o lançamento aconteceu em outro país. Mas por que em outro país? O Brasil não tem um foguete grande o suficiente para levar o nosso satélite à órbita, e Alcântara também não tem uma plataforma com dimensões e estruturas adequadas para lançar um foguete do tamanho que seria necessário para transportar o Amazonia-1. Enquanto o foguete indiano PSLV-C51 tem 44,4 metros, o foguete brasileiro VLS (sigla para Veículo Lançador de Satélites) tem apenas 19,7 metros de altura.


A órbita do satélite foi projetada para proporcionar uma alta taxa de revista (5 dias) com capacidade de disponibilizar uma quantidade significativa de dados de um mesmo ponto do planeta. O Amazonia-1 poderá fornecer dados de um ponto específico em dois dias.




Fonte: MCTIC, INPE


457 visualizações1 comentário
Mais Soluções - Corretora de Seguros
Mais Soluções - Corretora de Seguros