Buscar
  • Bianca Leroiz

Astrônomos podem ter observado a galáxia mais distante no universo

Batizada de GN-z11 esta galáxia pode ser a mais distante já descoberta pela humanidade. Astrônomos liderados por Nobunari Kashikawa, professor do departamento de astronomia da Universidade de Tóquio, embarcaram em uma missão para encontrar a galáxia observável mais distante do universo, para aprender mais sobre como ela se formou e quando.


Segundo Kashikawa, "a galáxia GN-z11 parece ser a galáxia mais distante detectável por nós, a 13,4 bilhões de anos-luz, ou 134 nonilhões de quilômetros (que são 134 seguidos por 30 zeros)". Não foi uma tarefa fácil para verificar a tamanha distância, a equipe estudou o redshift (desvio para o vermelho) da galáxia, ou seja, o quanto de sua luz se estendeu em direção ao extremo vermelho do espectro. Quanto mais longe de nós um objeto está no universo, maior será o desvio para o vermelho.


Com esse estudo, a equipe descobriu que a luz da galáxia havia percorrido 13,4 bilhões de anos-luz para chegar até a Terra. "Observamos a luz ultravioleta especificamente, pois essa é a área do espectro eletromagnético em que esperávamos encontrar as assinaturas químicas com desvio para o vermelho", disse Kashikawa, que contou com o telescópio espacial Hubble para detectar as assinaturas da galáxia e, em seguida, usou um equipamento chamado MOSFIRE, aqui na Terra, para medir as linhas de emissão.



A galáxia GN-z11 (Imagem: Reprodução/NASA, ESA, P. Oesch)



No mesmo observatório, uma equipe chinesa também observava a galáxia GN-z11, junto ao time japonês. Linhua Jiang, da Universidade de Pequim, em Pequim, China detectou uma explosão de radiação de alta energia vindo dali e, se confirmada, essa será a explosão de raios gama mais antiga já conhecida, datando de 400 milhões de anos após o Big Bang. Nas observações, a galáxia pareceu ficar centenas de vezes mais brilhante por apenas três minutos.


Apesar da galáxia de ter sido detectada a 13,4 bilhões de anos-luz, cálculos indicam que ela, está situada muito mais longe, cerca de 32 bilhões de anos-luz da Terra devido à expansão do universo, que pode ter sido responsável por estender a duração da explosão observada pela equipe chinesa.


Se o estudo se mostrar correto, a GN-z11 será a galáxia mais distante já vista. O estudo com o trabalho dos japoneses e dos chineses está disponível na revista Nature Astronomy.




Fonte: Space.com, New Scientist, Canaltech

498 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo